27 de abril de 2017

A TODO PANO

Nei Duclós

Não tenho do amor melhores referências
Nem da amizade recebo a melhor nota
Avesso ao humano estou fora da rota
Abrigo ninho de pássaros estranhos

Quem vê de longe me enquadra no rebanho
Perfil de pastor a quem acho que engano?
Quando me aproximo o alarme soa insano
Sou a confusão zunindo a todo pano

Voz de prisão, escriba veterano
Nasci de boa cepa, mas torrei parte da herança
Entrego no poema a torta confidência


26 de abril de 2017

CARAMEZ: DIRETO AO PONTO



Nei Duclós

Carlos Caramez lança A Vida das Sobras (Leitura XXI, 55 pgs.), seu terceiro livro depois de Última Safra do Silêncio e Construção das Ruínas. Sua poesia diz assim:


"Não sei que tempo é esse
essa não é a minha vida
esse não é o meu corpo
nem visto a minha roupa

não sou a pessoa que vocês procuram
não tenho o que vocês precisam
não faço o que vocês imaginam
não sei o que vocês querem saber"
(Carlos Caramez)

Suas palavras reportam o completo desmanche do indivíduo num país que ele define como sendo "sem noção". Na receita dessa tragédia pessoal e coletiva, as dívidas, os juros, a indiferença, a brutalidade das relações humanas, levam ao mau cheiro, à podridão, à morte da nação e da alma.

Ao fazer o serviço, sua poesia então procura definir o que lhe resta depois de tanta depuração. Não se trata mais do indivíduo, que dançou nessa roda hedionda de um Brasil sem fundos, na autofagia de uma situação terminal que se multiplica em todos os momentos. O que resta é a sua palavra:

"Preciso firmar meu ponto
nunca ficar pronto"

Caramez parece que se esconde por anos, depois retorna com a mesma cara lavada e sorriso bizarro. Ele é assim mesmo e este livro explica esse comportamento que trafega no escuro mas se dedica à vocação do sol. Ele nos ilumina com sua radicalidade. Não se trata do ombro amigo, da sensibilidade, da escola poética, mas da dedicação à verdade da sua palavra.

Um poeta que sempre faz falta. Que bom que voltaste, amigo estranho e distante que nos impacta com seu trabalho sem concessões e sem pose

"Vivo de sumiços
me evaporo sem ser visto
quando me identifico
apresento identidade"

Aí está o poeta. Lançamento dia 6 de junho no Festpoa Literária às 15h30min. No Instituto Goethe, rua 24 de outubro 112, Independência, Porto Alegre.

Vá lá conhecê-lo. Depois ele some.




24 de abril de 2017

TUIT É TIROTEIO



Nei Duclós  @neiduclos

Frases diárias que correm o risco de se dispersar. Por isso reúno aqui uma seleta para manter o pique.

Enquanto nos damos por perdidos, eles não se dão por achados.
Todo dia a linguagem desconfia. Chama-se poesia.
Vimos o resultado do voto, que não é mais obrigação, é cumplicidade.
Licença poética não existe. Poesia não pede licença.
Se você prega o ódio para fazer justiça, você não faz justiça, prega o ódio.
Liberdade é agendar o tempo livre, não jogá-lo fora, à toa.
Justiça não é a esperteza do criminoso, a manha do advogado, a corrupção do juiz, a leitura travessa da lei. Justiça é a honestidade.
Jornalismo não quer comunicar. Quem comunica é apresentador de TV. Repórter chuta os países baixos
Com a delação de massa, vivemos num país zumbi.
Há muitas maneiras de fraudar eleições e colocar a culpa dos resultados nos eleitores. Voto é o álibi perfeito para a ditadura.
Começa a ficar preocupante quando os velhos são aqueles que nasceram depois de você.
Todos são medíocres, odientos, sem noção e jamais poderiam imaginar. O resto (nós!) somos a última bolacha do pacote.
Jornalismo é delação culpada. Desmentida. Mesmo com provas
Conteúdo é o acordo entre jornalismo e publicidade. Entre redação e departamento comercial.
Há uma defasagem entre manchetes e textos das notícias. Mundo acaba amanhã, diz o título. Apocalipse anunciado é mentira, diz o conteúdo.
Enquanto todos os subsídios e infra vão para a produção de transgênicos, a cultura orgânica é tratada como indigente sob "proteção" cultural
Pague dividas, faça uma poupança e monte um negócio. Tudo com a merreca do Fgts inativo.
Chuva chega depois de 5 anos de seca. Água escorre pela calha e vai para o chão. Desperdício da "bênção de Deus".
Apesar das toneladas de agrotóxicos (ou talvez por sua causa) praga das moscas infestam frutas para exportação. Haja água do São Francisco
Supersafra de grãos transgênicos.Para uso da indústria de alimentos falsos e da criação de porcos na China. Haja solo e água do Brasil.
Fulano concede entrevista, ministra curso, torna-se palestrante, recebe honorários e aportes, enquanto pastamos no deserto.
Impedir a criação de novos municípios, acabar com a profissão de político, que passa a ser trabalho voluntário. Voto, alguém?
Para evitar que se reelejam, basta parar com o uso de urna eletrônica e proibir doações de campanha de qualquer espécie. Votando?
Bandidagem à solta: basta interromper o fluxo de armas para o tráfico e os assaltantes e impedir o consumo de drogas. Alguém vai votar isso?
Férias remuneradas é coisa do passado.E esse negócio de dormir está por fora. Ninguém pode ser remunerado deitado na cama.Basta de preguiça!
Crise financeira no Brasil: sabemos agora para onde foi o dinheiro.
Estamos perto da hiperinflação. Todos querem tirar o máximo de um mínimo de pagantes.
Propina sem retorno, o novo nome da "ingratidão".
Apocalipse maia, bug do milênio, Nova República: todo mundo acreditou
O indivíduo é tratado com suspeita pela cultura da falsa virtude, que acusa os seres humanos de individualismo, o crime de ser à parte
O indivíduo é uma peça valiosa da natureza, que encerra em si tudo o que existe. Nada há fora dele e seu mundo se esvai junto com o desfecho
A humanidade cultivou o hábito da separação permanente de tanto ficar submetido a convívios forçados. Viver amontoado gera vingança.
Conversa em que todos concordam apressadamente é só para a despedida chegar cedo e liberar a maledicência posterior, na ausência dos outros.
Toda vez que declararem algo definitivo, brinde o interlocutor com uma saraivada de perguntas para desconstruir a certeza. A pessoa chora
Sempre que alguém faz uma pergunta importante, responda inicialmente com um silêncio cheio de distância, para provocar o pânico.
A falsa cultura reduz a sabedoria a jargões, que são depois desmoralizados pelos próprios sabichões da hora
O q vale está dentro.Ali é a verdadeira arena.O q está fora é a  lona, com frestas para olhos livres acompanharem teus números de  trapézio
Impossível selecionar,já que estamos imersos.O segredo é saber trabalhar o que vem de fora sem se entregar às intenções do circo. Habitar-se
Quando dizem "só para ter uma ideia" é para não ter duas.
No fundo, não há mensagem. Apenas a sonoridade das palavras que se encaixam e que encantam pelo poder de sedução imaginado.
Estrangeiros poderão ter 100 por cento das empresas aéreas nacionais. Como assim, nacionais?
Profeta nem sempre acerta. O Tempo não quer conversa

23 de abril de 2017

VOA, VERBO



Nei Duclós

A forma, ao girar,
conforme incide a luz,
expõe outro objeto.
Desvencilha-se da anima,
refaz a identidade

Como a palavra que torço
até desprendê-la
de sua origem
Como fazem as criaturas
que mudam de pele

Voa, verbo
que um dia foi carne
E hoje é só o sopro
da divindade