26 de maio de 2022

ANZOL⁷

 


Lembrei de tu quand9 havia tempo

E pescavamos no rio que hoje eh uma  avenida


Fechei o  cerco da vida sobre ti

Sobrevivi

Fisgado para sempre pelo rompimento que se abateu em mim


 Nei Duclós

VALOR



A biografia perde substância

E vira uma resma de papel

Diante da vassoura


Encontras enfim a verdade

E ela também não tem valor

O que vale eh ter nascido implume

Entte espinhos

E aprendido a voar

A toa


Nei Duclós

25 de maio de 2022

MEIA LU⁷Z

 


Já tomei o meu remédio 

Já fiz minha oração 

Deitei agora na cama 

Do quarto a meia luz


Ainda tenho esperança

Estrela que me carrega

O coração não  sossega

Teu rosto na escuridão

  

O sentimento me  cega

Sabe que não  tem razão 

Debaixo de mil cobertas

V8ajo em tua direção 


Nei Duclós

TROCA

 


Claro que podes me trocar por outro amor

Não vou interferir

Com gritos ou silencio 


Serei tua oculta dor

Flor sem serventia 

Cacto no jardim 


Lembrarás de mim

Quando a chuva torrencial

Inundar teu leito nupcial


Nei Duclós

Barca

 

Não tenho mais poesia para te oferecer

Ultrapassei a cota

E da tua fuga restou este amargo amor sem futuro

Que se mistura aos restos de peixe nas dunas


Es a barca que vislumbro da praia

Rumo ao esquecimento

Mas tenho a memória do teu corpo

Em meus braços vazios


Nei Duclós

24 de maio de 2022

RESISTENCIA

RESISTÊNCIA 

Não cair na tentação do crime
Nem agredir para fazer justiça
Ou defender-se sem lei
Não confiar em estatística para manter-se bruto

Apagar o rancor, temperar a vida
Vítima desses álibis do vício
Celebrar no íntimo o amor
Único motivo de termos vindo
A esta prova de resistência
No universo frio

Nei Duclós

23 de maio de 2022

NERV⁶OS

 s 


A dor que sinto não eh fingimento

Eh um fato, e não consenso

Depende da posição 

de quem esta fora ou dentro


Não repetir palavras em tantos poemas 

Ser sincero 

Dizer para valer na contracorrente

Ter desvantagem em alto preço 


Mesmo que doa

Nos nervos do verso 


Nei Duclós

22 de maio de 2022

OUTRAS VIDAS

 


Trago de outras vidas

Os mistérios e as dúvidas 

Os dons e as dividas 

A vocação lírica

A flor da poesia


Nascemos prontos na fabrica divina

Como fruto vindo da flor

Óbvia disciplina


Nei Duclós

MATINAL

 


Tomei café na hora certa

Antes da aurora

Quando o sol oculto espia pela porta

E o corpo precisa de uma sacudida

Enquanto dormes

No coração dos pássaros


Nei Duclós

21 de maio de 2022

ESTA9 TODOS PRESOS

 Nei Duclós 


Estão todos presos 

Por não  confirmarem meu pessimismo

Pela surpresa solidária no abismo

Quando eu menos esperava 

No mundo em carne viva


Estão  todos presos

Na cadeia de amor que eu não via

Por achar que tudo estava perdido

O sol o mar a saude a vida

Enquanto vocês pacientemente construíam 

Um novo lugar  chamado convite

Venha, me disseram

Somos teus amigos, tuas amigas


Por isso prendo cada um(a) de vocês

Abuso de esperança 

No meu  coração e no meu espirito 


Nei Duclós

20 de maio de 2022

Aviso

 


Não toca em você meu desejo

Estás acima em cenário de deusa 

Não por ser inacessível, remota estrela 

Mas porque pões no chinelo

O que posso ser como teu amante


Estou sem a fonte do poema que por sorte

Poderá te trazer, divina mestra

Do amor que desperdiço

Meu anônimo lixo 

Recolhido pela Lua

Que avisou: eu não te disse?


Nei Duclós

PISO

 Nei Duclos 


Declarei ⁷meu amor, mas não devia

Melhor ficar só na minha

Estalagmite

Que na gruta pende em riste do teto para o piso coberto

de ametistas que são minhas lágrimas de esmeraldas

Pelo tempo transcorrido 


Felicidade e medo sem sossego

Vento frio no corpo tímido 



SUSTENTO

Nei  Duclos 


Poucas pessoas me sustentam

Não ando no andor, não ocupo templo 

Vivo do que sou, E do que faço me alimento

Chamam de poema, mas é ao certo

Oração da alma em comunhão com o Tempo 


Tenho essa missão, que trago de berço 

Mãe católica  e pai da pesca

Numa  cidade que gerou o pampa

E tem busto de bronze de poetas na praça 


Dos conterrâneos sou exemplar avulso

Cedo migrei  para muito longe

Aqui mesmo, onde o coração é ponte


Volto menino em corpo veterano

Às calçadas que desaguam no rio

A natureza é  minha fonte

A palavra,  o que me alça voo



15 de maio de 2022

PEDRAS

 Nei Duclós 


Tudo mudou. 

Menos nós,

pedras  lisas na beira do rio do tempo 


Nas enchentes, peixes e sereias  nos visitam

Passando suas linguas furta-cor

Em nossa pele de alabastro


Depois brilhamos ao sol

Aguardando os pés das moças do subúrbio 

 


5 de maio de 2022

Morir

 Nei Duclós


Se puede morir quantas veces  se quiera

Cuando se esta vivo,  por motivo qualquiera

En las canciones o la literatura

En la mesa de bar o en amores perdidos


Pero siempre habra la  vantaja

de tales emociones salir vivo


Eso no sirve si la muerte misma

Dale su mortal golpe en la vida

No se puede llorar como se llora

Antes de un café 


No se puede morir sin vivir el peligro

De la pura muerte    

De la muerte misma


APOCALIPSE

  Nei Duclós 


Naquele tempo a terra era plana

Forma  necessária para sustentar os gigantes

Que eram a imagem e semelhança de Deus


Os gigantes viviam mil anos

Como revela a  Bíblia sobre a idade de Adão 

Tinham tempo para formatar montanhas e deslizar cachoeiras eternas em pedras lisas para os banhistas

Fizeram templos e monumentos

Pirâmides e esfinges


Tinham tanto poder que desafiaram o Criador

Construindo a torre de Babel, o Hmalaia 


Por isso foram destruídos

E substituídos por nós 

Que moramos numa esfera

Para não nos sentir tão seguros


REATAR

 Nei Duclós 


É prudente o passo que reatamos

Ainda não é laço, mas lasseou a ruptura

Azeitar o contorno de ser mais próximo

Contornar a herança deste exilio


Não repetir os erros, baixar a guarda

Lembrar o leve toque entre os dedos

Único vínculo que não é um fardo


Servir de ponte quando a dor inunda

Passear no campo, com os personagens

deste oficio insano, a literatura


Farejar a flor que morre no crepúsculo

Dar-se as mãos, sonhando com o futuro


4 de maio de 2022

GÊNESIS

 Nei Duclós 


Depois de uma cerveja Deus criou o mundo

Começou com o bar e fez a rua

O bairro suspeito, o casario decente

O centro com igreja e tudo


Quando o mundo ficou pronto  ele descanso num banco de praça

Que tinha esquecido de criar

Mas os anjos cuidaram de colocar canteiros

E  estátuas bebedouro balanço gangorra e um espaço de areia para crianças 


Jamais ocorrera a Deus, boêmio 

Que o mundo teria praça

Para  saudar o sol 

E curar a ressaca da cerveja



1 de maio de 2022

PROPOSTA

 Nei Duclós 


Propor  charadas para capturar a essência do poema

Não passa de medo de expor-se

Diante da nudez da palavra

E sentir vergonha alheia como se ela fosse tua amante feia


Não chute a palavra 

Que ela é  feita de pedra

E a  única coisa capaz de decifarr os segredos da tua vanguarda

Que é celebrada como se não precisassem da letra e de todo o impulso silábico



30 de abril de 2022

LUZ

 Nei Duclós 


Confinado  no tempo e  no espaço 

Por idade,  complicações, cansaço

Não abro mão da  claridade 

Minha poção de   cura, a cultura

Que cultivo por tradição e liberdade 


Por amor, eu diria, por força de hábito 

O coração é  fogo, iluminação 

Contra a escuridão  covarde


28 de abril de 2022

PASSAGEM

 Nei Duclós 


Por aqui passou o poema

Como vassoura de palha

Deixou estrias no piso

Forçou a porta de entrada


Veio de longe o poema

Do tempo da esferográfica 

Da praia em verões da lata

Das mãos mendigas da praça 

Cadernos espiralados

E de sonhos 

Que já não restam


Passou por aqui, poucas marcas

Revelam sua passagem 

A não ser alguns garranchos 

Nas paredes da tapera 


L

27 de abril de 2022

ERROS

 Nei Duclós 


Só a mim diz respeito

Os erros que cometi

E não foram poucos


Talvez só eu lembre

O Mal com que atingi

Pessoas próximas e distantes

Essa  coleção de desacertos

Que desenham meus remendos


Mas quando me encontro

Com algum contemporaneo

Passamos a borracha

Amores feridos humanos

Memórias flexíveis

Que cabem em nosso vasto coração de abandonos



CEDO

 Nei Duclós 


Faço tudo cedo

Café banho poema 

Não tenho pressa nem medo

Apenas cumpro a agenda 

Escrita pela experiência 


Quem for mais moço  ompreendo

Deixar tudo por fazer

Já fui assim, mas confesso

Que prefiro ganhar tempo


Para estar pronto, liberto 

E aguardar que a fortuna 

Para entrar peça  licença 

E note no meu asseio

O dia acertando o passo 



MAÇÃ

 Nei Duclós 


Provo a maçã de natural promessa

Devo confiar até  na casca

Não há veneno apenas fruta


Imagino  a safra

Até  chegar à  minha mesa

Águas de intensa  clareza

Molham as  macieiras

Mãos de aprendizes

Colhem no ar a doce e vermelha porção da natureza


Mordo a polpa mais perfeita

Sou o alvo dessa prece

Que a terra entre estações inventa


Nei Duclós

AS CARTAS

  Nei Duclós 


Hora de levantar acampamento

Neste .momento de guerra 

Quem dera fosse uma pescaria 

Em que juntar as tralhas era  volar para casa

Com as lições de desconforto do pai

Ferindo os pés

Enquanto  nos dirigiamos para as mãos da mãe


Agora é   batalha

Os pais se foram junto com o País. 

Eu faço a mochila juntando as cartas do meu camarada para a família 

Não há  correio no front

E um tiro selou seu destino

Carreguei-o até a beira deste rio

E sepultei-o entre as pedras 


Se eu sobreviver

Serei carteiro de um herói 

Recebido com lágrimas

Pelos que perderam um filho

Nos  confins da pátria e da memória 


Nei Duclós

19 de abril de 2022

DESPERTAR

Nei Duclós 


Se o ódio por acaso for dormir não o desperte de manhã. Deixe-o ficar lá até ele esquecer de levantar 


Mas desperte  o amor e leve-o para ver o mar


SARJETA

Nei Duclós 


Ficamos sós, eu e o poema

Ofício sem poder no esquema

Ainda riem do que acham inútil 

O varso e o versejador caduco

Ambos sentados na sarjeta suja


Ficamos sós, por nossa culpa

E a lua, sem misericórdia

Vem fazer parte da comédia 

Para ela tanto faz, ilusão ou crime

Poesia é vício da solidão 

Musa distante que o diga


ÍNTIMO JARDIM

 Nei Duclós 


O amor é um jardim sem dono

Que alguém plantou e foi embora

Ele continua produzindo flores

Íntimo da chuva e da terra inóspita


A primavera vem em seu socorro 

Quando o inverno vence a estação dos brotos 

E o clima morto acha que está feito 

O corpo do jardim já decomposto


Ressurge então o amor, supremo rosto

De pétalas azuis por entre o barro

Sentimos de longe, remota montanha

Mas ele está dentro, e diz teu nome

Batismo de seda contra o abandono



17 de abril de 2022

ENCALHE

 Nei Duclós 


Não diga que sou tirano

Porque travo a língua com palavras  pobres

O lixo que recolho serve para o sonho 

Não deixo nada fora no ofício medonho 


É  missão de sacerdote o poeta que sofre

VendO o verbo atirado sem nada que o apanhe

Por isso reza enquanto anima o espólio 

O encalhe das falas e dos relatórios 


Tenho o hábito dos santos apesar de humano

Vivo no pecado das estrofes sem uso

Mas os anjos gostam e devolvem num sopro 

Maravilhosa e inéditos cantos gregorianos


EIXO

 Nei Duclós 


Que coisa boa quando consentes

Que eu toque teu corpo e encontre um  pouso

No eixo que vai do rosto até o ventre 

Teus seios de fogo tua língua  violenta