9 de junho de 2010

SURREI A VIDA


Nei Duclós

Surrei a vida, surrei-me
bati no crânio do erro
feri o tempo, ferido
abri o olho, surpreso

Cortei o pulso, no espelho
olhei a morte, quebrei-me
Cantei calado, no peito
plantei deserto e canteiros

Amei amigas, solteiro
entrei nas casas, fogueira
queimei sorrisos, em cinzas
deixei as brasas, certezas

Levantei vôo, soltei-me
voltei da guerra, fui preso
vieram ver-me, esperei-os
com a mão no peito, violenta

RETORNO - 1. Poema do meu livro No Meio da Rua, musicado por Bebeto Alves. 2. Imagem desta edição: Corredor, de Ricky Bols.

Nenhum comentário:

Postar um comentário