2 de novembro de 2018

OBRA ABERTA


Nei Duclós


Feche o poema a tempo. Não o submeta ao fardo das hipérboles e chaves de ouro. Freie quando as rodas dianteiras do comboio balançarem na margem do abismo.

Abandone o leitor à sua própria sorte. Volte a pé sem olhar para os lados, perseguido pelo crocitar das palavras que deixaste de usar, por saber que a criação fica sempre aberta, como flor à mercê do orvalho.


Um comentário:

  1. you've an ideal blog here! would you prefer to make some invite posts on my blog? casino online

    ResponderExcluir