23 de dezembro de 2018

FAGULHA DA OFICINA

Nei Duclós


Falei demais e em vez de ficar mudo
Voltei a dizer, só por teimosia
Repito o que vivo fazendo poesia
E jamais enterro o verso que cultivo

Assim perco a atenção de quem me via
Como promessa de assombrosa profecia
Pois nunca chega o que insisto no poema
Antes se esgota na própria fantasia

É da natureza deste pobre ofício
Malhar sempre o mesmo ferro frio
A graça não está no que produzo
Mas na fagulha e no barulho da oficina

Está exposto mas nada se aproxima
Do obsessivo pendor de ser sozinho
Queimo as mãos, esgoto o corpo exausto
Enquanto a obra se dispersa no conflito



Um comentário: